Design Thinking – Conceito, jornada e casos de uso –

Design thinking é uma trilha para agilidade e eficácia de projetos de soluções para facilitar o cotidiano de pessoas e empresas. É uma abordagem para distencionar muitos contextos do dia a dia. Facilita a superação da desconexão existente, muitas vezes, entre a jornada do usuário e a da empresa de marketing à compliance. É uma abordagem de sucesso para inovação e para a qual este post pretender ser uma colaboração para disseminação, entendimento e assimilação.

Conceito de Design Thinking

O conceito de Design Thinking tem a ver com qual é a mudança relevante e sustentável a ser operada e como realizá-la em intervalos de tempo de curta duração. O sucesso de muitas iniciativas inicia na compreensão da persona, do problema e do funcionamento solução. A relevância e a usabilidade do objeto da iniciativa são entendidos em situações reais. Por exemplo: algo direcionado para cozinha é amadurecido na observação de como é o dia a dia de uma persona definida antes, durante e depois da cozinha e do cozinhar. Concorda? Essa ideia muda o contexto, a história e o desenho do projeto. Seja ele qual for. Em outras palavras, as chances de sucesso em um tempo muito menor são muito maiores.

Design thinking muda a forma de pensar e fazer mudanças transformadoras. Seja no desenvolvimento de produtos e serviços, seja em melhorias de organização e controle. Por essas razões, é uma solução para entender o caos e as tensões das incertezas. Certamente, favorece o consenso sobre o caminho do problema e da solução a ser testada, otimizada e entregue.

Caminho de colaboração

Boa parte das iniciativas empresariais existem para serem novos caminhos e novos arranjos de colaboração para seus diferentes públicos.  O compartilhamento, a mobilidade e a conectividade são temas fundamentais daqui para frente.  A ideia da jornada e da experiência do cliente e dos usuários mudaram a percepção de valor de produtos e serviços. Em vista disso, o desenvolvimento e a expansão bem sucedida de toda atividade empresarial estão muito influenciados por como essas transformações estão assimiladas na estratégia e a na gestão empresarial.

Design thinking, em síntese, é um roteiro de trabalho flexível para pensar e realizar melhorias e transformações desejáveis, economicamente viáveis e tecnologicamente possíveis à luz das circunstâncias práticas do cotidiano pessoal, familar, profissional e corporativo. Sobretudo, é uma abordagem que enfoca a condição e a experiência humana na formulação de problemas e soluções do cotidiano.

De acordo com Pinheiro; Alt (2012, cap.4, po.391 versão kindle)

O Design Thinking é sobre pessoas(como a sobrinha do Tenny). Sobre compreender e trazer à tona o que as coisas significam para elas e projetar melhores ofertas com esse significado em mente. É sobre endereçar problemas complicados com um  olhar profundamente contagiado pela perspectiva de quem enfrenta esses problemas todos os dias.

Design Thinking – A Jornada –

Design thinking é uma forma ágil de pensar e fazer inovação. Padrões rígidos são ultrapassados por formas flexíveis de conceber, gerenciar projetos e melhorar a maneira de trabalhar depois deles. Movimentos de longa duração são decompostos em um programa de episódios de curta duração. A mudança deixa de ser evitada e passa a ser assimilada e fazer parte da história.

A organização da abordagem tem por orientação e pilares a empatia, a experiência, a cocriação e a antecipação. A colaboração entre e para as pessoas bem como as formas de fazê-la mudam. A empatia e a experiência no sentido de experienciar (testar, conhecer) são o motor para mudar a forma de pensar e fazer mudança. Iluminam as trilhas da definição do problema até o dia a dia da solução.

A jornada do Design Thinking acontece em fases complementares conhecidas como sendo de imersão, análise e síntese, ideação e prototipação. Se existe um motor, a prototipação é o combustível do Design Thinking como prática de uma ideia. Gerar um protótipo não é finalidade da iniciativa. A prototipação é o meio fundamental para testar, validar ou ajustar uma hipótese. Passo fundamental para confirmar uma ideia de negócio, de produto e ou serviço. É uma forma apropriada para racionalizar antes o esforço e o investimento para depois torná-los de fato entregas de uma experiência de valor.

Design Thinking – Casos de uso –

Os casos de uso de Design Thinking vão de novos produtos e serviços para o agronegócio, passando por projetos de home care até estratégia e gestão 4.0 para indústria, comércio e serviços ditos tradicionais. Além disso, design thinking facilita a geração, a organização e o teste de ideias acerca de problemas e soluções complexos. Portanto, todo caso de negócio é um caso de uso de Design Thinking. No entanto, obviamente, a profundidade e extensão variam segundo o contexto e o propósito.

No âmbito das entidades públicas e privadas os desafios de agilidade e de eficácia são aumentados muitas vezes por conta da fragmentação, da comunicação deficiente e da compreensão inadequada próprias de uma história de paradigmas inapropriados para aos dias digitais apesar de consagrados até então.

Design Thinking de Marketing à Compliance

A mudança da situação atual em muitas atividades requer um outro arranjo para a cultura, comportamento e clima organizacional. O diálogo entre as disciplinas de gestão para ser mais efetivo para o sucesso dos diferentes públicos requer um facilitador. No público e no privado, também é preciso conectar jornada do cliente e a jornada da empresa desde elaborar a promessa e plano de marketing até gerenciar riscos e conformidade. Isso impacta positivamente as pessoas e os números.

Design Thinking é uma força engajadora. Acelera a transformação de mentalidades e números para níveis de ganhos superiores. Igualmente, colabora para um ambiente de melhorias e inovação porque harmoniza as relações entre as disciplinas e as áreas da gestão empresarial; as relações entre os profissionais da organização e entre a marca do negócio e seus clientes. Valor fundamental para o sucesso dos interessados em um mundo conectado e digital.

Referência Bibliográfica

Pinheiro; Tennyson Design Thinking Brasil [recurso eletrônico]: empatia, colaboração e experimentação para pessoas, negócios e sociedade –  Rio de Janeiro: Elsevier, 2011.

 

 

COMPARTILHE ESTE POST
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Luciano Veronese Monteiro
Ajudo a pensar, escrever e fazer para resolver problemas de negócio que resolvem.
COMPARTILHE ESTE POST
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email